A queda do muro de Berlim

Vivíamos em uma paz “tranquila”: Ninho e Aquários, a harmonia reinava entre os pássaros e os “peixes”.

Dividíamos o famoso B.B. (Beira Bosta) no fundo dos nossos quintais, onde jogávamos as nossas famosas “peladinhas” e dividíamos esse espaço com várias repúblicas.

Até certo dia em que um dos “peixes” da Aquários resolveu balançar a tranquilidade aumentando a altura do muro que fazia divisa entre a Ninho e a Aquários. Qual seria o motivo? A cada tijolo colocado crescia a indignação dos pássaros, pois não havia necessidade dessa barreira, já que existia um grande entrosamento entre as repúblicas.

E em uma determinada noite, os pássaros da Ninho saíram para ir ao Perêt, ”gente boa” [link].

            Entre uma cerveja e outra, surge a interrogação:

            _ Por que a Aquários aumentou o muro?

A revolta foi unânime e em certa hora resolvemos derrubar o muro, afinal até o muro de Berlim teve fim, por que não o nosso?

            Mediante a revolta, nos armamos de picaretas, marretas, pesos de ginástica, pé de cabra e outros projéteis de destruição que estão descritos nos manuais de engenharia e muitos outros desconhecidos por ela, e colocamos abaixo a grande muralha.

            Na verdade não era o muro que iria dividir as repúblicas, não era qualquer tijolo que traria a discórdia e a inimizade, pois éramos e somos até hoje grandes companheiros.

            E a paz voltou a reinar.